Monday, April 21, 2008

"Manual" de sobrevivência num casamento



Os primeiros tempos de um casamento são de uma forma geral períodos de felicidade e harmonia em que os pombinhos vivem como que nas nuvens.
Porém, o matrimónio é para ser vivido dia-a-dia e de preferência com os pés bem assentes na terra.

Muitos casais com uma relação idílica, aparentemente capaz de resistir a todas as adversidades, começam por experimentar a pressão e as dificuldades que marcam uma existência a dois.

Com o passar do tempo, começam a surgir na cabeça de cada um perguntas do género: “como é possível que eu tenha gostado tanto desta pessoa, a ponto de me casar com ela?”

Pois é! Mas à semelhança de um jardim de flores, também uma relação, e em especial um casamento, exige cuidados e atenções diárias, de ambas as partes, de modo a manter acesa a chama do amor e a levar a bom porto o compromisso que assumiram quando se decidiram a casar.

Todavia, e como diz o ditado, “só não há remédio para a morte”.
É nesse sentido, que vos deixo aqui algumas regras básicas, que se revestem de enorme utilidade para manter a felicidade conjugal e a harmonia no lar. Essas normas, não constituem nenhum segredo, e como tal ,não são mais do que a aplicação prática do bom senso, da compreensão e da tolerância.
Bem sei, que poderão estar a dizer: " É muito fácil falar, mas depois é que são elas"!
Não digo que tal não seja verdadeiro, mas como em tudo na vida devemos tentar, se não nunca vamos ter sucesso.
Por vezes, falta somente assumir os nossos erros, falarmos e mudar as condutas menos próprias.
Acho que vale a pena tentar, muito mesmo.
Sem mais delongas, deixo-vos com 3 dicas que considero de supra importância.
1 – Aprenda a ceder

Esta é uma regra de ouro e que deve estar sempre presente. Quantas vezes não nos apetece comer um belo bife e ele prefere uma lasanha? Ou, por outro lado, ele quer ver um jogo de futebol quando vocês preferiam ver um filme?

Estes pequenos nadas estão muitas vezes na origem de problemas que, com o passar do tempo, se vão avolumando até atingirem o ponto de ruptura. O melhor mesmo é aprender a fazer concessões.
Umas vezes terá de ser ela a fazê-lo, outras vezes deverá ser o seu marido. Ambas as partes deverão estar conscientes da importância de dar e de receber. Se apenas uma das partes dá a mão à palmatória, mais tarde ou mais cedo, surgirão os ressentimentos.

Esta situação torna-se ainda mais grave se a pessoa que cede é do tipo de ficar a remoer em silêncio até atingir o ponto de ebulição e explodir de uma forma violenta. Daqui se depreende a verdadeira importância de, logo desde o início, encontrar um ponto de equilíbrio.

2 – O casamento é um espelho

Se lhe fizermos uma massagem nas costas, ele retribuirá com uma carícia. Se o tratarmos mal, ele muito certamente responderá à letra e pode mesmo faltar-nos ao respeito. Assim, fica estabelecida a importância de pensar todas as acções e atitudes.

Nesse sentido, a medida de carinho e respeito que recebe dele é, apenas, um reflexo fiel da que lhe dá. Tudo depende de que o fazermos sentir que gostamos dele e que o desejamos. E vice-versa, claro.

3 – Incrementar o diálogo

Não devemos, nunca, ficar de braços cruzados à espera que os nossos maridos adivinhem o que nos vai na alma.
Digam-lhe muito claramente o que pensam e o que querem.
Se por acaso se lembram de levar a vossa melhor amiga para jantar em casa, tenham o cuidado de lhe dizer antes que gostaríam de o fazer. Se um dos dois vem de uma viagem e quer que o outro o vá buscar, digam-no com clareza. Não façam perguntas do tipo: “venho de táxi ou vais buscar-me?”

Um bom entendimento passa, antes de mais, por uma boa capacidade de diálogo e para isso ambos têm de se esforçar por arranjar tempo para o fazer. Assim, disponibilizem algum tempo para falarem da vossa relação, das vossas expectativas e planos para o futuro e não tragam à baila temas que nada têm a ver com a vossa relação.
Quando estiverem juntos, façam o possível por dedicar o tempo a vocês próprios. Ou seja, ponham qualidade no tempo que passam juntos.
E sejam, muito, mas muito felizes. Uma das coisas mais importantes na vida é o amor, pelo menos para mim.
E para vocês caros leitores?
Estas regras parecem-vos positivas e capazes de gerar resultados, também eles positivos, numa vida a dois?
Que outras regras acham que devem ser observadas para que uma relação tenha um mínimo de sucesso?
Saudações diabólicas.

18 comments:

O Pinoka said...

Concordo com as ditas regras, mas na minha opinião um dos principais problemas e aquele que faz com que todas estas regras sejam quebradas, chama-se falta de tempo.
Infelizmente hoje em dia ninguém tem tempo para nada. Nem para ele próprio, nem para a parceira, nem para os filhos, nem para a restante família, nem para os amigos, nem para se divertir com todos eles. È isto a que a nossa sociedade nos obriga e muitas vezes o resto vem por arrasto.
Beijinhos

luafeiticeira said...

Gostei dos conselhos. Obrigada
jocas

Miguel said...

tens de escrever um livro sobre isto :D

mas falas-te muito bem mesmo :D

Diabólica said...

PINOKA,

Compreendo o que dizes quando falas em falta de tempo,sim a sociedade moderna obriga-nos, por vezes, a deixar de ter tempo útil para os nossos familiares e amigos.

No entanto, também não será menos verdade, que alguns de nós neglegênciamos a nossa vida privada e por vezes até teríamos tempo para a protegermos, mas acontece que o comodismo fala mais alto.

Por isso, entendo que embora o argumento de que falas seja válido, muitas das vezes o que acontece é que pensamos que só acontece aos outros e que as nossas relações estão bem e recomendam-se e depois é o abismo.

E porque é que por vezes estamos a ver as nossas relações a ir pelo "brejo" e preferimos ir ao futebol, ao centro comercial, e a outros locais de lazer, que são importantes, mas nesse tempo não se poderia investir na vida familiar?

A comunicação, para mim, é a chave de tudo, e quando queremos mesmo o tempo pode esticar.

Ás vezes nem é preciso muito tempo, basta apenas uns minutos por dia para ter pequenas boas conversas, que no final poderão fazer a diferença...

Mas, esta é apenas a minha opinião e vale o que vale.

Beijos diabólicos e boa semana.

Diabólica said...

LUA FEITICEIRA,

Há muito que não tinha o prazer de ter a tua visita. Fico feliz por teres voltado a esta casa...

Volta mais vezes.

Beijos diabólicos.

Diabólica said...

MIGUEL,

Olha um livro, não estava mesmo nada fora de questão, mas já sabes, provavelmente, ninguém o editava.

Afinal, não tenho o encanto da Catarina Salgado, muito menos a sua larga competência escrita! LOL

Enfim...

Mas, sabes que estou a pensar em ecrever um livro sobre a minha relação.

Adoro escrever e não custa tentar... Quem sabe ainda o faça.

Bjos diabólicos.

luafeiticeira said...

Desculpa se não vim mais vezes, mas é que costumo visitar os blogs que tenho linkados e o teu não estava, não estava, OK?
jocas

Joao said...

lol é um bom manual em termos teóricos, na pratica talvez seja mais puxado para seguir à risca, digo eu...mas explicaste-te nos conformes, tens uma ligeira picardia para este tipo de assuntos :)

bj

Casemiro dos Plásticos said...

Belos conselhos, sim senhora muito obrigado, mas já decidi que não me vou casar. Porque simplesmente acho que cada vez mais se perde a chama do amor7paixão, etc depois do casamento, é mau e outras coisas mais como gente ir comer à tua pala lol
beijos e bom fds.

Diabólica said...

LUA FEITICEIRA,

Não tem importância, eu compreendo perfeitamente.

Passarás a vir agora!

Beijinhos

Diabólica said...

JOÂO,

Pois, a prática é sempre mais difícil, mas acho q se não se tentar não se conseguirá de certeza.

Sabes, em relação aos assuntos, tenho períodos, mas agora, de facto, estou nesta "onda".

Mas,brevemente, irei voltar aos temas da actualidade.

Diabólica said...

CASEMIRO DOS PLÁSTICOS,

Isso é o que todos dizemos, mas mais tarde ou mais cedo todos acabamos por querer dar esse passo.

Quanto a perder a chama, descordo, pq conheço casos em que se deu precisamente o oposto.

É preciso é investir na relação, não a deixar morrer, regar a plantinha.

Beijos

Belzebu said...

Li tudo com muita atenção e não me vou esquecer das dicas que tão simpaticamente aqui deixaste. Agora só me falta ganhar vontade de casar!

eheh!! Aquele abraço infernal!

Diabólica said...

BELZEBU,

Mas "paizinho" eu sou uma diabólica simpáticazinha!!! LOL

E a vontade de casar vai aparecer, quando encontrares a pessoa certa, se é que ainda não encontras-te...

Beijinhos e apareçe mais vezes. Já sentia saudades do meu "paizinho".

Diabo said...

Hello darling inloved

Diabólica said...

DIABO,

Hello my friend in Fire.

Tanks for your visit, HOT MAN! LOL

Kisses and came back anytime you want.

Sapo said...

É o que eu tento fazer, felizmente tenho uma noiva que acredita no mesmo e temos avançado no nosso relacionamento bem, quando temos algum problema conversamos, e ao fim de algum tempo já não há problema. Eu acredito que 90 % dos problemas de um casal só existem por deficiência em comunicar, posso ser optimista mas acredito que se for honesto e dissermos o que nos vai no coração quase todos os problemas se resolvem, vou fazer isto que a diabólica disse para o meu futuro casamento e acredito que daqui a 50 anos no blogs ou no que existir na altura estarei a disser VEM TIVE OU NÃO TIVE RAZÃO

Até a próxima gosto mto dos teus artigos e fico sempre ansioso para ver o que nos presenteias no próximo, fico á espera :)

Diabólica said...

SAPO;

Fico muito feliz têm um relacionamento numa boa base comunicacional, e se bem entendo num respeito mútuo.

Também para mim essa é a chave, porque quando não se comunica, ou quando se perde o respeito, acabou-se.

As coisas acabam por ficar recalcadas e depois numa zanga vem tudo ao de cima, o que complica a reconciliação e a solução do diferendo.

Bem quanto à tua noiva que sei que é uma sortuda, e quando for o vosso casamento, também aceito uma fatia de bolo, não se esqueçam e sejam muito, mas muito felizes mesmo.

Obrigada pelo elogio e quanto ao próximo é um bocadinho picante, embora vá tentar aligeirar a coisa, mas depois logo dizes se gostas.

Obrigada pela tua visita e por apreciares o meu blog.

Se quiseres confessar se tu e a tua noiva tb o fazem, eu como sou cusca fico anciosamente à espera! LOL

Beijinhos.