Friday, January 18, 2008

Uso de dados biométricos para garantir a segurança das crianças.

Há dias li este artigo, que considerei uma boa ideia, mas ficaram-me algumas questões por responder.
Mas antes de as colocar ao vosso assentimento, propunha que lessem o mesmo que grosso modo dizia o seguinte:

Nos dias que correm, deixar um filho no infantário ou na escola de manhã é uma situação que é já um habitué para a maioria dos pais. No entanto, numa altura em os raptos de crianças são o “prato do dia”, a segurança desses estabelecimentos ganham maior importância. Para prevenir que «pessoas não autorizadas levem as crianças», duas empresas nacionais criaram um software inovador.

O novo aparelho a que se deu o nome Kidnopper é um programa de registo e controlo dos movimentos das crianças que utiliza dados biométricos.

Tudo se processa da seguinte forma: no início de um ano lectivo, os pais ou encarregados de educação quando inscrevem a criança no estabelecimento de ensino, deverão também inscrevê-los no programa.
Na ficha do aluno ficaram registados os seguintes dados: o nome, fotografia e impressão digital dos adultos autorizados a ir buscar a criança.

No final das aulas, o funcionário encarregue de entregar os alunos tem acesso ao programa que integra a ficha com as informações e um leitor de impressões digitais, que confirma se a pessoa que quer levar a criança está autorizada para o fazer.
Além disso, fica registado quem levou a criança, a que horas e quem foi o funcionário que a entregou e há ainda a possibilidade de fotografar o momento em que a criança saiu. Qualquer pessoa que indevidamente queira levar o aluno também poderá ser fotografada.
«Se a criança desaparecer, a polícia quererá ter estas informações», explicam os responsáveis das empresas Klara Software e A4 produções, responsáveis pelo projecto.

Este possibilita também alterar as autorizações. Por exemplo, em caso de divórcio em que apenas um dos pais tem o poder paternal e a guarda da criança, a escola é avisada e altera no programa as autorizações.

O software tem também uma ficha médica com informações úteis do dia-a-dia, e alertas que avisam ,por exemplo, educadores e professores para a hora em que as crianças devem tomar medicamentos.

Os responsáveis explicam que o pack que inclui a licença do programa, um computador, câmara usb e o leitor biométrico custa 1429 euros. Os estabelecimentos que tiverem computador compatível podem comprar apenas a licença e o leitor biométrico por 899 euros e as licenças adicionais custarão 499 euros, a não ser em casos de escolas com muitas salas, em que as empresas admitem uma redução do preço.

O Kidnopper vai ser traduzido e comercializado em Inglaterra e Alemanha e há já contactos com Espanha. Em Portugal já há 80 estabelecimentos que se mostraram interessados no programa.

Bom em nome da segurança e tendo muito em conta os últimos acontecimentos relacionados com raptos e desaparecimentos de crianças, parece-me uma boa “invenção” visto que assim, os pais a julgar que tudo vai funcionar da melhor maneira, poderão ficar com o seu coração mais descansado.

Mas, pergunto será que haverão verbas para assumir este custo?

Apesar de a intenção ser a melhor, a de proteger as nossas crianças, será que não as estamos a tratar como robots de quem temos os telecomandos?

Será que do ponto vista emocional isto não poderá ser agressivo para as suas mentes, porque certamente estas atitudes irão criar medos e ânsias nas crianças?

Poder-me-ão dizer que é a realidade em que vivemos... E de facto é uma verdade, mas será que se o nosso Estado cumprisse com uma das suas obrigações haveria necessidade de chegarmos a isto?

Há já muito que o Estado se demitiu de uma das suas missões, que é a segurança dos seus cidadãos, ou porque gasta dinheiro mal gasto, ou porque há corrupção, ou simplesmente porque temos recursos humanos desaproveitados, pergunto o que estão os GNR, por exemplo, a fazer nos quartéis, sem nada fazerem?

Isto já não é de agora, já vem de trás e se as coisas tivessem sido feitas com responsabilidade, será que não teria sido possível não chegarmos a isto?

Gostavam que me deixassem as vossas opiniões e sugestões.

Saudações diabólicas.

6 comments:

Sapo said...

Este artigo é muito bom meus parabens á escritora. Já tinha saudades da sua prosa inteligente e capaz.


Em relação a este assunto... Bem a nossa sociedade tem sempre de balançar dois pratos, a liberdade e a segurança, quando há demasiado peso num dos pratos o outro cai.

Demasiada liberdade leva á anarquia sem segurança para ninguem, demasiada segurança ou controlo leva a um estado totalitarista (de esquerda ou de direita qual é a diferença?).



Este sistema é um que já vejo instalado, sem o aparato de alta tecnologia, na escola do meu sobrinho onde uma ficha existe com os contactos dos pais e uma lista de pessoas autorizadas a "levantar" o miudo, mas desde quando as crianças são como objectos frageis que tem de ser protegidos com um milhão de cuidados, eu quando era miudo andava pela rua a brincar com as outras crianças, eu sabia que não devia falar com estranhos e não aceitar nada de estranhos e com estás duas simples regras consegui ter uma infancia feliz e ainda estou aqui.



Podem disser que isto é mais perigoso do que no tempo que era criança mas os abusos da Casa Pia estavam a decorrer quando eu tinha 10 anos, logo os pedofilos tambem andavam por ai nessa altura.

Zorze said...

Nem quero pensar neste assunto *

Belzebu said...

Minha amiga Diabólica, temos que admitir que há problemas de segurança em Portugal, assim como em todos os países, de uma forma ou de outra. Assim sendo, qualquer investimento que se faça para garantir a segurança das nossas crianças, só pode ser bem recebido. Paralelamente, devemos exigir sempre, que o Estado cumpra a sua missão de criar condições para que a criminalidade seja combatida.

Aquele abraço infernal!

Casemiro dos Plásticos said...

grantir a segurança é bom, agora das palvras aos actos ainda vai uma grande distancia...e força de vontade de tirar o cu da cadeira...
beijo e boa semana.

PP said...

Na nossa sociedade cada vez nascem menos crianças.
Cada uma delas é muito mais valorizada.
Assim sendo querem proteger as crianças contra os perigos.
Pelo que sei a maior dos abusos
são feitos pela própria familia ou amigos próximos.
Não posso estar contra essa ideia de controlar quem pode ir buscar as crianças à escola..., porém acho tudo um pouco exagerado.
Uma nota muito pouco politicamente correcta.
Por um lado apoia-se o aborto..,e a seguir rodeia-se cada criança que nasce com algodão já que os pais vivem com os espectro de a poderem perder.
Mais valia que se não subsidiasse quem aborta.

vitor said...

Saudações infernais :)

Meus caros eu sou conhecedor da solução que se fala, tive o prazer de conhecer quem a desenvolveu e posso lhes garantir que a ideia é muito boa e exclusivamente pensada para a segurança e bem estar dos nossos filhos.
O kidnopper para alem da componente de segurança tem outras funcionalidades que permitem uma boa gestão das tarefas inerentes ao funcionamento de um infantário.
A aplicação permite o envio e recepção de sms. Com isto podemos trocar informações directamente com o/a educador/a, garantido sempre o registo de tudo aquilo que é enviado e recebido, desta forma não há a desculpa de que não deram o recado, ninguem disse nada..
Com este serviço de mensagens podemos ir sossegados para o nosso trabalho e deixar as crianças entregues à empregada, avô, avó, tia... que sabemos exactamente quando a criança entregue no infantario, pois o kidnopper envia automaticamente uma mensagem ao responsavel dessa criança uma mensagem com essa informação.
Tem tambem outra funcionalidade que são os alertas.
Imaginem uma educadora com 25 crianças numa sala onde 4 podem estar doentes e requerem alguns cuidados especiais, como tomar medicação todos os dias a umas certas horas. Com o kidnopper não têm de estar a lembrar se de tudo porque o software gera alarmes com essas informações. Mais uma vez fica tudo registado, quem viu esse alerta e quando. Se alguem se esqueceu de dar a medicação à criança essa informação fica guardada...
Por todas estas funcionalidades e outras que não referi acho que é uma mais valia para qualquer infantario ter este software.
E o valor que custa é facilmente conseguido porque no meu ver, como pai, estaria disposto a participar com um donativo para a aquisição de uma solução que iria aumentar a segurança e bem estar do meu filho.